sexta-feira, 29 de agosto de 2014

American Airlines esta sendo investigada por retirar homem de voo por mau cheiro

Jovem francês acusa a American Airlines de discriminação por tê-lo impedido de viajar com a justificativa de que ele "cheirava mal"



A companhia área norte-americana American Airlines estaria sendo investigada pelo governo francês por ter expulsado um passageiro de um voo porque ele estaria "cheirando mal". A informação é do site F de Souche.

O francês de 27 anos, chamado Mehdi, teria prestado queixa contra a empresa por discriminação. O caso teria ocorrido no último domingo (24) em um voo que partia de Paris com destino a Dallas, nos Estados Unidos.
De acordo com a publicação, antes de o avião decolar, quando queria ir ao banheiro, o jovem foi "convidado" por um funcionário a se retirar da aeronave porque "a tripulação e os passageiros se queixaram sobre o seu cheiro". A ação teria sido gravada em vídeo.
"Você está em uma empresa americana, isso é um território americano, o comandante tem o direito de recusá-lo. Você não vai viajar hoje", teria dito um tripulante ao rapaz, reporta o site. O empregado da American Airlines teria justificado ainda que não era a primeira vez que aquele tipo de problema acontecia e o aconselhado a "tomar um banho".
Conforme as infomações do F de Souche, Mehdi, que tem origem argelina, não estava mal-vestido ou bêbado, o que poderia "justificar" o caso. Ele considera as alegações de mau cheiro um "pretexto" e alega que até mesmo usou "um perfume da Dior" no free shop, antes de embarcar.
Procurada pelo site francês, a American Airlines teria alegado que o jovem tinha "um problema de visto" e se recusado a comentar "questões individuais sobre seus passageiros".
Via Exame

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

Infraero inicia mudança de identidade sonora nos aeroportos

Nova música mistura arranjos com diversos instrumentos, como violoncelo, berimbau, cuíca, flautas e acordeom, e será reproduzida em breve nos terminais do país


Os avisos sonoros e mensagens nos aeroportos administrados pela Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) vão mudar. O primeiro a adotar a mudança é o Aeroporto Santos Dumont, inciada 25/08. A novidade prevê uma maneira mais informal de comunicação e uma nova locutora com o intuito de se aproximar dos passageiros.
A nova música mistura arranjos com diversos instrumentos, como violoncelo, berimbau, cuíca, flautas e acordeom, e será reproduzida em breve nos terminais do país e no sistema de atendimento ao cliente. As chamadas em espera, sites, eventos e mensagens nos aeroportos também terão um logotipo sonoro. A voz ouvida nos alto-falantes também será outra. Durante décadas, as mensagens eram anunciadas pela locutora Iris Lettieri, que agora será substituída por Ana Paula Aquino.
A Infraero contratou uma agência especializada para criar a identidade sonora da empresa, levando em conta a opinião de quem trabalha nos aeroportos.
A Agência Brasil perguntou a opinião dos usuários e funcionários do aeroporto sobre a mudança. A aprendiz da TAM Bruna Araújo, 23 anos, classificou a música de engraçada. "Não tem ‘cara’ de aeroporto. A outra voz era mais bonita, tinha mais glamour. Eles quiseram deixar o som mais descontraído, mas ficou demais”.
A vendedora de um quiosque no Santos Dumont, Fabiana Oliveira, 20 anos, gostou dos novos avisos sonoros. "Acho bobeira aquela formalidade de antes, era muito sem graça”.
Para o engenheiro Rodrigo Coimbra, 34 anos, disse que a mudança é desnecessária. “O som até que ficou agradável, mas acho um gasto inútil de dinheiro do governo. Os aeroportos deveriam ter outras prioridades”.
De acordo com a Infraero, a mudança foi feita com o objetivo de fortalecer o relacionamento com os clientes, de forma mais afetiva e simpática. “As mudanças na operação dos aeroportos do Brasil exigem da Infraero uma postura diferente em relação ao passageiro, de forma que a empresa procure cativar o seu cliente”, diz o presidente da estatal, Gustavo do Vale. A Infraero informou que a mudança chegará aos demais aeroportos de forma gradativa.
Fonte: Exame

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

FAB pode desistir do Gripen C

Alto valor do contrato de leasing pode afastar modelo intermediário do país

Segundo informações publicadas na Tecnologia & Defesa, a FAB teria desistido de realizar o leasing dos Saab Gripen C\D.
O acordo que está sendo conduzido pelo governo brasileiro e autoridades suecas prevê o aluguel de um lote de até 12 Gripen C/D atualmente em uso pela Força Aérea da Suécia. O pacote faz parte das negociações do Gripen NG e seria a opção para a substituição dos Mirage 2000, que foram retirados de serviço em 2012.
A opção do Gripen C é vista como uma transição para os futuros Gripen E/F que serão entregues ao Brasil apenas em 2018, assim como uma opção para manter a defesa aérea nacional dentro dos requisitos mínimos de operacionalidade.
Entretanto, a nota publicada pela Tecnologia & Defesa diz que um dos motivos da desistência da FAB foi o valor do leasing, considerado elevado e próximo do oferecido pela França para manter os atuais Mirage 2000 em operação.
A FAB não respondeu aos contatos, mas fontes consultadas confiram a nota publicada, que a Aeronáutica vem buscando meios de reduzir os custos operacionais, e destinar novos recursos para a modernização de onze F-5 adquiridos da Jordânia e a continuidade do projeto de atualização da frota de Embraer A-1.
A Saab informou que as negociações entre o governo do Brasil e Suécia não tem relação com o contrato do Gripen NG, que está em fase final e deverá ser assinado em dezembro. O governo brasileiro respondeu que negocia o leasing dos Gripen C/D e que qualquer novidade será devidamente publicada pelos canais oficiais.
Via Aero Magazine

Protótipo do T-Xc realiza primeiro voo

Aeronave inicia campanha de certificação e poderá ser utilizada pela FAB

O protótipo do T-Xc, treinado primário fabricado pela Novaer, realizou seu primeiro voo no dia 22 de agosto de 2014, às 11:30 do aeroporto de São José dos Campos.
O T-Xc foi desenvolvido com base no projeto da aeronave acrobática K-51 do renomado projetista Joseph Kovács, sendo pilotado nesse 1º voo por seu filho Otávio Kovács.
“O avião se mostrou muito dócil e ao mesmo tempo ágil na resposta aos comandos, muito semelhante ao K-51” declarou Otávio ao final do voo.
Já haviam sido executados diversos giros de motor e, nas últimas duas semanas, a aeronave realizou também taxiamentos, corridas na pista e outros testes em solo para validar os ajustes e as calibrações finais. Após esse primeiro voo inicia-se a campanha de ensaios na qual a aeronave gradativamente vai desenvolvendo o envelope de manobras.

“Estamos muito orgulhosos com esse marco, cujo mérito é de toda nossa equipe. Estão todos de parabéns”, declarou Graciliano Campos, Diretor Presidente da Novaer.
Via Aero Magazine

GOL lidera em volume de passageiros no mercado doméstico

Somente no primeiro semestre deste ano, a companhia capturou 52% do aumento do número de passageiros da indústria no período



A marca de 21,4 milhões de passageiros transportados de janeiro a julho deste ano, 10% a mais do que o mesmo período do ano anterior, levou a GOL a anunciar a liderança em volume de clientes no mercado doméstico. 


Somente no primeiro semestre deste ano, a companhia capturou 52% do aumento do número de passageiros da indústria no período, que foi de 6,6%, salientou a empresa.
Conforme a GOL, entre os fatores que influenciaram o crescimento de seu número de passageiros estão o compromisso com a pontualidade e o investimento em conforto, agilidade e comodidade a seus clientes.
"Reformulamos o serviço de bordo, incluindo lanches vegetarianos, agilizamos o embarque, com o check-in inteligente e facilidades no autoatendimento e a antecipação de voo de maneira mais fácil e rápida, além de oferecer mais espaço entre as poltronas, com a nova configuração GOL+", disse, em nota, o presidente da companhia, Paulo Kakinoff.
Apesar da liderança em número de passageiros, a GOL segue atrás de sua principal concorrente quando o referencial é passageiros-quilômetros pagos transportados (RPK), principal indicador de demanda usado pelo setor e o mais utilizado para a determinação de participação de mercado.
No acumulado dos primeiros sete meses do ano, a GOL tem 36,35% de participação de mercado em RPK, de acordo com dados divulgados nesta sexta-feira, 22, pela Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear). A TAM possui 38,38%.
Hoje a GOL divulgou seus dados de tráfego referentes ao mês de julho. Registrou um crescimento da demanda doméstica, medida em RPK, de 8,1% na comparação com julho de 2013.
A oferta, medida em assento-quilômetro oferecido (ASK), recuou 3,6%, na mesma comparação. Com isso, a companhia obteve uma taxa de ocupação (Load factor) doméstica de 79,9%, alta de 8,6 pontos porcentuais.
O desempenho de demanda na GOL foi acima da média do setor.
Conforme dados consolidados pela Abear referentes às quatro principais empresas do setor - TAM, GOL, Azul e Avianca - a demanda por transporte aéreo doméstico registrou alta de apenas 0,5% em julho ante igual período do ano anterior, enquanto a oferta recuou 3,1% sobre o mesmo mês do ano passado.
Mas a taxa de ocupação setorial ficou acima da reportada pela GOL, alcançando 81,7%, com destaque para a Avianca, que registrou taxa de 84,7%, e da TAM, com 83,64%.
Fonte: Exame

terça-feira, 26 de agosto de 2014

GENTILEZA GERA GENTILEZA..... E ÉTICA


Na aviação não existe nenhum manual de etiqueta que direcione a nós, pilotos, nas relações interpessoais com os colegas, entretanto há algumas convenções que se seguidas, certamente vão denotar um alto grau de profissionalismo por parte de quem as pratica. Alguns podem até achar que tudo isso é bobagem, mas se observarmos em outras profissões como médico e advogado, veremos que elas são usadas constantemente entre eles, o que obviamente mantém um nível elevado de respeito em suas categorias profissionais.
Um médico ao indicar outro profissional ao paciente nunca diz: "Procure o Zezinho", por mais amizade que ele tenha com o "Zezinho". Ele diz ao paciente: Procure o Doutor José. Isso é respeito profissional.
Eu vou falar pra você algumas regras básicas que nós, pilotos mais antigos, usamos na aviação, e que aprendemos não por manuais de procedimentos, mas muitas vezes com aquele "vê se te manca" dado de forma indireta, como que chamando o "novinho" aos princípios de comportamento em nosso meio.
Essas dicas são, com certeza, valiosas pra quem quer vencer na aviação e para imediatamente conquistar a simpatia dos seus pares. Isso é fundamental para o network, e tornará mais fácil a abertura de portas.
Em primeiro lugar eu recomendo: Ao ser apresentado ou simplesmente cumprimentar outro piloto que você ainda não conheça, cumprimente-o como Comandante, até que ele te dê a liberdade de chamá-lo somente pelo nome. Esse é maior cartão de visitas de um profissional visivelmente ético.
Sei que você vai me perguntar: "E quando eu for amigo de um outro piloto, faço o mesmo?"
Não! Claro que entre amigos não há cerimonias, porém, a exemplo dos médicos e advogados, que por mais íntimos que sejam entre si, quando estão na presença de clientes e estranhos se tratam como "doutores", na presença de passageiros ou pessoas estranhas ao nosso meio, procure tratar o colega como Comandante. É assim que os de fora tem que nos enxergar, e só farão isso se você for o primeiro a dar o exemplo.
Por mais que eu seja amigo de um outro piloto, para pessoas fora da nossa área nunca me refiro a ele somente pelo nome ou apelido, mas como "Comandante Fulano de Tal". O mesmo vale quando você tiver que mandar uma comunicação interna na empresa, estiver entre os outros funcionários e por algum motivo tenha que citá-lo, ou quando for apresentá-lo a outra pessoa: "Conhece o comandante fulano de tal?"
Voando numa empresa, por menor que seja, nós respeitamos a senioridade. Ao entrar num táxi ou no carro da empresa, quando há dois comandantes, o mais novo sempre deixa que o mais antigo escolha onde quer sentar. .
No restaurante acontece a mesma coisa. O mais antigo escolhe onde quer sentar e é o primeiro a pegar o cardápio e fazer seu pedido. Na passagem pelas esteiras de verificação de bagagens, o mais antigo sempre passa primeiro. Quando há um certo grau de intimidade, essas regras muitas vezes são suprimidas, mas devem ser lembradas sempre pelo mais novo, mesmo que o mais antigo abra mão das convenções. Amigos, creiam-me: Isso não é "frescura". Isso é respeito!
Entre comandante e copiloto não há o que discutir... A primazia é sempre do Comandante em qualquer caso.. É odioso quando numa tripulação um copiloto se antecipa em tudo, como se ele mandasse no pedaço. Há quem diga: "Mas não estou na cabine e nem em vôo, por isso essa primazia não existe!" - LEDO ENGANO! Não está na cabine mas não se esqueça que mesmo fora do cockpit o comandante é um superior hierárquico na empresa.
Certa vez estávamos em duas tripulações em Campina Grande-PB. Havia um comandante bem mais antigo de empresa (e de idade), seu copiloto, eu como comandante do outro avião e meu copiloto. Quando fomos para o hotel, só havia disponível um quarto com ar condicionado, e os outros três com ventilador. Quando o recepcionista colocou as chaves em cima do balcão, meu copiloto pegou logo a chave do quarto com o ar, dizendo: "Esse aqui é meu!"
Mas levou uma bronca na mesma hora! Pedi que me devolvesse a chave, me virei para o comandante mais antigo e disse: "Comandante, o senhor fica com o quarto com ar!". Ele até quis abrir mão,mas eu não deixei. Ao copiloto eu disse: "Você fica com o que sobrar!" O veterano apenas falou: É, comandante, esses novinhos ainda têm muito o que aprender...
Mesmo que eu fosse o mais antigo de empresa, por uma questão de educação, cederia a primazia para o outro comandante, que devia ter o dobro da minha idade. Que dirá um copiloto que mal tinha começado a voar... É esse o "vê se te manca" que eu citei anteriormente.
Uma das coisas mais elegantes que existe é cumprimentar outros pilotos pelos saguões de aeroportos, pátios e salas de tráfego. Se você não estiver uniformizado, tudo bem não sair acenando para os outros, pois vão até pensar que você é maluco. Mas se estiver uniformizado, não precisa ir lá e apertar a mão do cara! Um aceno já é suficiente. Eu digo que há certos comandantes de linha aérea que se julgam tão semideuses, que pelo nariz se pode enxergar o cérebro, dada a elevação do "pitch". Mas e daí? Educado e profissional tem que ser você! Dane-se se o cara é tomado pela soberba! Os idiotas passam, mas o seu profissionalismo e a sua educação ficam, e garanto: São notados por muitos.
O tratamento entre nós, pilotos, e o pessoal de terra não pode ser diferente. Se queremos respeitpo, temos que respeitar também. Há pilotos arrogantes, mas estes não são assim por serem pilotos. Se fossem médicos, advogados, dentistas ou arquitetos, seriam arrogantes do mesmo jeito. Na verdade a arrogância é uma falha do caráter e não tem nada a ver com a profissão.
Acreditam, uma das pessoas que mais me ajudou e quando eu mais precisava, foi um mecânico. Graças a ele arrumei um emprego que me tirou de um sufoco danado! Se alguém acha que o respeito tem que ser somente entre nós pilotos, está redondamente enganado. O bom relacionamento tem que ser com todos! Todos são importantes nessa engrenagem que é a aviação, e o respeito e a consideração que você tem com os outros, serão os mesmos que você terá deles. Portanto, nada de ser acometido por "comandatite", aquela doença odiosa que faz o piloto achar que está acima de tudo e de todos.
Por isso meu amigo, não basta cuidar apenas da aparência. Cuide também das atitudes! Elas falam melhor quem você é.
Texto: Marcelo Quaranta