CAPA_FUNDADOR_1

Ronaldo Borges

Piloto Comercial de Avião e Fundador da Revista Norte Verdadeiro


Descobri minha paixão por aviões ainda bem pequeno, especificamente quando o meu pai me levou ao Aeroporto do Galeão no Rio de Janeiro para ver o fabuloso e lendário Concorde que na época fazia voos regulares aqui para minha cidade. Me assustei ao ouvir de perto o barulho ensurdecedor dos motores das aeronaves que delicadamente bailavam a nossa frente. Percebi naquele momento que aquele ambiente por mais barulhento e tumultuado que fosse precisava fazer parte da minha vida, não tinha como fugir daquela forte e natural atração que nasceu dentro de mim.

Passei então a colecionar recortes de jornal, revistas, álbuns de figurinha, frequentava sebos procurando sempre algo novo para minha coletânea de ‘tudo sobre a aviação’, minha mãe vivia reclamando de toda aquela ‘tralha’ espalhada pelo quarto e até mesmo por outros cômodos da casa, meu saudoso avô que era um excelente marceneiro me ensinou a trabalhar com meia esquadria, ou seja, ganhei o poder supremo de construir com as minha próprias mãos os quadros com fotos de aeronaves para pendurar na parede do quarto, era tudo que eu precisava, sendo assim, no final de alguns meses eram mais de 30 em uma única parede, todos emoldurados e envidraçados, tudo feito com muito capricho e amor, o MUSAL, Museu Aeroespacial já era minha segunda casa, conhecia todas as aeronaves daquele lugar de cor e salteado, memorizei de que maneira cada uma delas contribuiu para história da aviação.

Alguns anos depois, não diferente de milhares de jovens com a minha idade, tentei me tornar um piloto militar, infelizmente não consegui, tentei outra vez e novamente não fui classificado, junto com a tristeza e a frustração, veio o afastamento de tudo aquilo que era tão importante para mim, o sonho acabou e da pior maneira possível, meus pais não tinham condições financeiras que possibilitasse com que eu fizesse os caros cursos da aviação civil. Retirei os quadros da parede, encaixotei as revistas e recortes e fui trabalhar, lógico, em algo que não gostava, afinal de contas eu queria muito e precisava voar, morria de medo de nunca poder realizar esse sonho.

Anos se passaram, dediquei minha vida a outros projetos pessoais e profissionais e me via cada vez mais distante de tudo que era relacionado a aviação. Aqueles quadros que decoravam o meu quarto já haviam sido doados, os recortes de jornais e revistas perdidos no tempo e no espaço, eu já não corria mais para a janela quando ouvia o som dos motores de um avião passando, ou seja, eu estava cada vez mais fincado em terra firme e as asas que nasceram comigo estavam ficando atrofiadas por desuso e eu corria um sério risco de perde-las de vez.

Sempre digo que amigos são presentes que nós damos a nós mesmos, e foi assim que a chama da aviação reascendeu dentro de mim, por intermédio de um amigo que era piloto, na verdade um irmão que a vida me presenteou e que tempos depois virou anjo pois já não esta mais entre nós. Ele se aproximou e disse: O que você esta esperando pra ser um de nós? Ronaldo, você precisa da aviação, mas ela também precisa de você, pois em qualquer área ou em qualquer profissão pessoas apaixonadas fazem a diferença, e você meu amigo é um dos caras mais apaixonados por tudo isso que eu conheço.

Aquelas palavras fizeram com que despertasse dentro de mim o garoto de quase duas décadas atrás e em algumas semanas eu já estava matriculado no curso teórico de Piloto Privado. Todas as outras coisas viraram segundo plano em minha vida, estudei, estudei, estudei, passei na famosa e temida banca da ANAC e chegou então o dia do primeiro voo no aeroclube, e adivinhem quem era meu instrutor? (fotos em anexo) ele mesmo, o presente que era amigo e virou anjo, ele foi meu Instrutor no primeiro voo da minha vida, foi meu checador no curso de Piloto Privado, presenciou muitas das minhas horas do curso de Piloto Comercial, me bem aconselhou centenas de vezes, me ensinou que um piloto não se faz só de pernas e braços e sim de alma e coração, me ensinou que o profissionalismo de um aviador não se mede pelo tamanho do avião que ele voa. Infelizmente ele não me checou no Comercial, pois foi chamado pra fazer um voo mais alto, em outro plano….. fiquei meses sem voar, talvez por medo, talvez por respeito, por saudade, por raiva, não sei ao certo… dias tristes me acompanharam por um longo tempo.

Paralelo a tudo isso, em meio ao turbilhão de informações a que somos jogados quando estudantes de aviação, eu sentia falta de algo que me motivasse, sentia necessidade de algo que me jogasse pra frente, que me direcionasse, que enfim, não deixasse com que eu desistisse mais uma vez do meu sonho, desta vez pelas dificuldades apresentadas durante o curso, pelos valores absurdos das horas de voo, pelo mercado da aviação que vive frio em nosso país, pelos órgãos reguladores que zombam sem o menor pudor de nós. Foi aí então que surgiu a ideia de criar o NORTE VERDADEIRO, resolvi fabricar a dose de motivação que eu mesmo precisava. Sabia que de alguma maneira essas doses acabariam beneficiando outras pessoas além de mim, e foi o que aconteceu. A vida seguiu seu curso natural e o sentimento de dor pela perda do irmão aviador virou energia pura e meses depois eu chequei meu curso de PC/MULTI/IFR, consegui subir um importante degrau na aviação, finalmente me profissionalizei. Dediquei essa vitória a ele, não podia ser diferente.

Hoje o Projeto NORTE VERDADEIRO carrega consigo uma legião de milhares de seguidores, nossos textos e vídeos motivacionais já foram assistidos mais de um milhão de vezes, alguns dos nossos trabalhos foram traduzidos pra outros idiomas e publicados em revistas especializadas no exterior, centenas de escolas de aviação e aeroclubes usam nosso material como braço motivacional aos novos pilotos, o Portal Norte Verdadeiro que chamamos de REVISTA NORTE VERDADEIRO dá informação diária e de maneira séria e dinâmica, temos colunistas especialistas que voluntariamente transferem conhecimento aos nossos seguidores e amigos. Orgulhosamente finalizo dizendo que isso tudo surgiu de dentro da cabeça de um menino que era completamente apaixonado por aviões. Exatamente como você.

“Os sonhos são a bússola da vida”

Ronaldo Borges



PS-01 / InVA Cmte Adelmo Louzada / Aeroclube do Brasil / arquivo pessoal de Ronaldo Borges